A importância da escolha da escola na educação infantil

Autora: Aline Melo de Aguiar

Vivemos em um contexto sociocultural urbano e escolarizado. Ir para a escola, no Brasil, faz parte desse contexto. O país conta, inclusive, com uma lei (12.796, de 4 de abril de 2013) para regulamentar a matrícula das crianças na escola. Atualmente, a educação básica obrigatória é de 4 a 17 anos, organizada em três etapas: pré-escola, ensino fundamental e ensino médio. Mas, para além de ser uma obrigação, a escola é uma experiência que marca a vida de todas as pessoas. Quem não se lembra dos anos escolares? Dos amigos, das brincadeiras e de alguns grandes mestres? E, também, se o ambiente era acolhedor e estimulante ou monótono e repressor?

Portanto, sendo a escolha da escola, de modo geral, feita pelos pais, é importante que eles identifiquem na instituição escolhida, com base em suas próprias experiências, as características que julgam importantes. Tais como, modelo pedagógico, facilidade de acesso, ambiente acolhedor, limpo e estimulante e, principalmente, que seja um local ao qual o filho se identificará. Afinal, as crianças têm suas próprias características, interesses e aptidões. Umas são mais calmas e concentradas, outras mais agitadas e dispersas, umas demandam mais atenção do que outras, além de inúmeras outras características e demandas pessoais. Ou seja, na hora da escolha da escola, é preciso reunir os valores da família, as características da escola e, sobretudo, não desprezar o estilo pessoal do filho. Se um dos três elementos não for compatível, provavelmente ocorrerão problemas.

Além disso, este costuma ser um momento de angústia para os pais, pois a escolha da escola não é apenas a escolha de uma instituição. De um modo geral, os pais sonham com o futuro dos filhos. Podemos dizer que antes mesmo de engravidar pai e mãe já têm um ideal de filho planejado em suas cabeças. Quem nunca se pegou falando que quando o filho crescer será médico ou advogado, por exemplo. Ou até mesmo que o filho seguirá os seus passos. A escolha da escola fala muito dessas expectativas e desejos dos pais. É como se uma escolha errada fosse afetar o futuro do filho.

Outro aspecto da escolha escolar, ligado aos sentimentos dos pais, é quando eles desejam que o filho estude na mesma escola que eles estudaram. Para os pais é quase que poder reviver através do filho uma fase da vida que não voltará mais e, também, poder proporcionar o mesmo que receberam de seus próprios pais. Entretanto, lembre-se que é preciso levar em conta as características da criança e que seu filho pode ser muito diferente de você.

A educação infantil é uma etapa escolar que acontece em um momento muito importante do desenvolvimento infantil e isto também precisa ser considerado. Ela engloba a creche e a pré-escola (0 a 5 anos) e nesta fase da vida ocorre a aquisição de diversas habilidades (motora grossa e fina, cognitiva, linguagem, social, emocional). Sendo assim, é recomendado que a escola adote uma estimulação global do desenvolvimento da criança através de jogos, danças, histórias e brincadeiras livres. Estes recursos podem e devem ser usados como instrumentos da pedagogia adotada pela escola. Tais estímulos precisam respeitar a etapa do desenvolvimento da criança. O ideal é que as turmas não sejam muito grandes e que além da professora, tenham auxiliares. Assim as crianças também podem ser observadas em sua individualidade.

Ao escolher a escola, depois de uma visita inicial, é interessante que os pais levem a criança e observe como ela é acolhida e como reage ao ambiente. Assim, podem presenciar o primeiro encontro da criança com a escola e tomar uma decisão de maneira mais segura. Observe se o tratamento dos funcionários com os pais e com a criança foi cordial, amistoso, e procure conversar com outros pais que tenham ou já tiveram filhos na instituição escolhida. Além disso, é preciso que os pais também se sintam integrados a escola. Isto é muito importante, pois pais satisfeitos passam tranquilidade e segurança para os filhos. Dessa forma, eles poderão transmitir confiança ao filho e facilitar no processo de adaptação escolar. Nada pior do que deixar a criança na escola e sair com a sensação de culpa ou de insegurança. Portanto, se a escolha privilegiar tanto o estilo da família quanto o da criança, não há motivos para insegurança. Vá em frente! O caminho é longo e a escolha da creche ou pré-escola é apenas a primeira etapa da vida escolar da criança!