Terapia Familiar e de Casal

As famílias têm redesenhado seus conceitos, formas e papéis. O modelo patriarcal, com funções bem definidas, com o homem provedor e a mulher cuidadora da casa e dos filhos, deu lugar a novas composições e funções:

  • A mulher está totalmente inserida no mercado de trabalho e é provedora exclusiva de muitos lares, mas ainda enfrenta grande distorção de cargos e salários e acumula atividades e funções profissionais e de mãe, esposa, dona de casa etc.
  • Famílias menores, com pais, mães e avós trabalhando e a falta de rede de apoio familiar demanda novas fontes de educação e influência para os filhos, como cuidadores, creche, escola, televisão, internet etc.
  • A livre escolha do(a) parceiro(a), de ter ou não ter filhos, morar ou não morar juntos, separar ou nem se casar, trouxe uma pluralidade de configurações de relacionamentos afetivos como os casais homoafetivos, as mães e os pais solteiros, os casais sem filhos, as adoções etc.
  • Entre muitas outras particularidades.

Neste cenário de mudanças, temos assistido famílias e casais, sem referências para vivenciarem os ciclos e as crises familiares, sucumbirem diante de angústias, estresse e conflitos. Passando por transtornos psicológicos, conflitos e divórcios, envolvendo até mesmo alienação parental e agressões.

O objetivo da terapia familiar e de casal é, através do diálogo, reconhecer os padrões de interação entre seus membros, identificando pontos fortes e fracos, conflitos e círculos viciosos para, com este entendimento, promover mudanças positivas nas relações.

São indicações para a terapia familiar e de casal:

  • Doenças crônicas/psiquiátricas de um familiar.
  • Consumo de álcool ou drogas.
  • Tratamento de fertilidade, nascimento de filho, adoção.
  • Agressões físicas e psicológicas.
  • Separação, alienação parental.
  • Luto.
  • Mudança de carreira, de cidade, de país, aposentadoria.
  • Conflitos diversos.